DevSecOps: 7 fatores-chave para implementar segurança em DevOps

Roberto Velasco    23 junio, 2021
DevSecOps

DevSecOps, também conhecido como SecDevOps, é uma filosofia de desenvolvimento de software que promove a adoção de segurança em todo o ciclo de vida de desenvolvimento de software (SDLC). DevSecOps vai além de uma ferramenta ou prática específica; favorecendo a automação da segurança, comunicação e escalabilidade.

DevSecOps nasceu como uma evolução da metodologia DevOps. Sua principal motivação é automatizar a segurança para responder à aceleração dos ciclos de lançamento de software impulsionados pela adoção do DevOps. DevSecOps não apenas adiciona elementos de segurança aos ciclos de DevOps, mas, quando aplicado corretamente, torna a segurança uma parte integrante de todo o processo, do início ao fim. Como consequência, a equipe de segurança se envolve muito mais com o restante das equipes envolvidas no SDLC, incluindo Desenvolvimento e Operações. Isso elimina o atrito, pois a tensão natural entre velocidade e segurança é compartilhada por todas as equipes.

Apesar, ou talvez por causa de sua ampla adoção, a metodologia DevSecOps recebe críticas por sua falta de especificidade ou orientação específica. Nesta postagem, queremos oferecer sete dicas diretamente aplicáveis ​​que resolvem os problemas mais comuns que vemos em equipes que adotam DevSecOps.

1. Use as ferramentas IAST para evitar falsos positivos e ajuste SAST

As ferramentas de teste de segurança de aplicativos (AST), como SAST e DAST, permitem que os desenvolvedores encontrem vulnerabilidades, sem serem especialistas em segurança. O problema é que, devido a abordagens desatualizadas e pouco sofisticadas, essas ferramentas não oferecem um nível ideal de precisão. Para evitar essa falta de precisão, recomendamos o uso de uma ferramenta de detecção mais precisa, como IAST (Interactive Application Security Testing). As ferramentas IAST não requerem «ajuste fino» ou revisões manuais, pois não geram falsos positivos.

2. Integre falhas de segurança em ferramentas de colaboração para melhorar a coordenação

Integre o rastreador de bug que sua equipe está usando, por exemplo Jira, com ferramentas de segurança para que os desenvolvedores possam ver os bugs de segurança como tarefas comuns. O objetivo por trás dessa recomendação é que os desenvolvedores não se desviem do ambiente que normalmente usam.

3. Defina métricas e limites para garantir a qualidade se a cadência de implantação acelerar

Da mesma forma que os erros de compilação paralisam a implantação, os erros de segurança também paralisam. Conhecidos como «controles de segurança«, esses pontos de verificação garantem que o código que atinge o CI / CD respeite os padrões de segurança. Crie pontos de verificação de segurança automáticos para atender aos objetivos de qualidade e paralise a construção se o número de vulnerabilidades exceder um limite.

4. Automatize a proteção contra erros de design para reduzir a verificação manual (teste de pentest)

Para mitigar o gargalo da verificação manual desses erros, recomendamos automatizar a validação usando soluções e arquiteturas que são seguras desde o início. As equipes de Pentest são mais produtivas quando têm uma visão clara de onde atacar.

5. Adote relatórios contínuos para obter visibilidade sobre o histórico de segurança

Os relatórios contínuos envolvem a geração de relatórios e métricas de segurança que rastreiam a evolução, o número e a gravidade das vulnerabilidades de cada versão. O objetivo é mitigar a falta de visibilidade do histórico de segurança à medida que novas versões do software são lançadas. É aconselhável usar ferramentas como Jenkins Reports ou Web Reports e melhorar os relatórios incluindo a evolução das falhas de segurança.

6. Integre a segurança do aplicativo para melhorar o suporte à nuvem

A adoção de «segurança como código» versus a abordagens dependentes de hardware ou rede significa que os aplicativos permanecem seguros aonde quer que vão, sem a necessidade de alterações de configuração para acomodar uma nova implantação ou nova versão do aplicativo.

7. Garantir escalabilidade linear e custos acessíveis

Certifique-se de que a infraestrutura de segurança de seu aplicativo não seja um gargalo de desempenho. Procure soluções de segurança que possam ser escalonadas de forma constante e linear ao longo do tempo.

As sete recomendações que apresentamos neste artigo têm como objetivo principal capacitar os desenvolvedores para que possam criar código com segurança graças à automação da segurança. A Hdiv Security foi criada por e para desenvolvedores desde o seu início. As chaves descritas neste artigo, e até mesmo nosso DNA como empresa, sempre perseguiram a filosofia DevSecOps, mesmo antes de o termo existir. Para qualquer dúvida relacionada à automação de segurança em aplicações, não hesite em nos contatar.

Deja una respuesta

Tu dirección de correo electrónico no será publicada.