O fim do escritório como o conhecemos chegou?

Miguel Ángel Martos    9 octubre, 2020
O fim do escritório como o conhecemos chegou?

O ano de 2020 começou difícil. Aprendemos que o que era «normal» pode não ser o melhor. Devemos reconsiderar a ideia de «escritório» como o centro da empresa. Essa crise pode ser a chave para demonstrar que um prédio físico de escritórios é coisa do passado, principalmente quando o trabalho remoto pode ser a garantia da perenidade da empresa.

Em tempos de crise, a tecnologia nos permite trabalhar em qualquer lugar e em qualquer dispositivo. Assistimos a uma mudança de enfoque para um modelo de trabalho a distância impulsionado pela necessidade e por empresas que procuram tirar partido dos seus potenciais benefícios. Mas, embora os trabalhadores pensem que o trabalho remoto é algo óbvio hoje, ainda precisamos de uma mudança cultural na forma como as empresas pensam sobre o trabalho remoto.

O trabalho remoto obriga as empresas e os funcionários a mudar. Existem duas áreas onde as mudanças se destacam por seu impacto nas pessoas: interação pessoal e coletiva e segurança. Alguns temem que trabalhar remotamente possa matar a cultura corporativa. Não é incomum que alguém nos diga que «estar no escritório é a chave para colaborar e promover a cultura corporativa» ou «Adoro ir ao escritório para ver meus colegas».

Em muitas empresas, é normal sair para tomar café da manhã em grupo. Permite-nos desfrutar do aspecto social do trabalho e da cultura de conversar com os nossos colegas, mas ajuda-nos a ser mais eficazes? As pessoas pensam que o trabalho é mais eficaz se o fizermos juntos, e assim é. Mas a cultura corporativa é desenvolvida por meio de princípios sólidos adotados por gestores e trabalhadores. A interação e execução desses princípios ocorrem remotamente e no escritório, especialmente quando se usam excelentes ferramentas de colaboração, como O365, Slack, Zoom, etc.

  • Segurança física: ao entrar no escritório, a empresa oferece um ambiente “seguro”: controla o acesso ao edifício, o clima, os espaços, etc. Trabalhar em casa permite-me controlar o meu próprio ambiente e mantém-me motivado e eficaz quando trabalho, também me protege numa crise em que não é aconselhável estar junto com outras pessoas no mesmo local.
  • Segurança técnica: a empresa também fornece ferramentas e serviços necessários para a execução do nosso trabalho. Garante (espero) o acesso às suas informações e serviços, como e-mail, compartilhamento de arquivos, aplicativos, Internet, etc.

Os métodos se concentram em oferecer o mais alto grau de segurança possível, controlando acessos, conexões e fornecendo visibilidade sobre o que acontece ao interagir com os aplicativos corporativos. Está se tornando essencial para as empresas serem capazes de proteger seus serviços, aplicativos e os dados que neles residem das ameaças atuais, que também aproveitaram as circunstâncias e aumentaram em número. No entanto, em um mundo em constante evolução, as ferramentas e recursos disponíveis para garantir a segurança dentro e fora do local de trabalho também estão melhorando e se adaptando às novas condições de ambientes descentralizados e distribuídos.

Para onde vamos: teletrabalho, confiança zero e SASE

As empresas devem aplicar dois modelos principais para proteger o trabalho remoto: Secure Access Service Edge (SASE) e Zero Trust. Ambos os modelos são baseados em conectividade direta. Eles oferecem rotas rápidas e seguras para acessar qualquer aplicativo.

No modelo anterior (agora com mais de 30 anos), um perímetro seguro protegia o data center, os aplicativos e os dados de ameaças externas. Com os aplicativos na nuvem, a Internet das Coisas (IoT) se tornando mais comum e os usuários se conectando de muitos lugares, esse modelo não é mais sustentável e não é tão seguro. Como um perímetro é imposto em torno dos dados fora da rede corporativa?

O Secure Access Service Edge (SASE) aborda especificamente a realidade de segurança enfrentada pelas organizações que optam pela nuvem. O SASE protege o tráfego entre o usuário e o aplicativo. O mais importante é a jornada e não o objetivo. Com o modelo SASE, as empresas digitais podem fornecer segurança em todos os momentos, independentemente da localização do usuário, sem pilhas complexas e caras de hardware de dispositivo de segurança que exigem manutenção e atualização constantes.

A confiança zero fornece um modelo de acesso único e fácil para os usuários, independentemente de onde eles estejam e o que estejam tentando acessar. Crítico, pois as empresas transferem rapidamente os funcionários para ambientes de trabalho remotos. Usar o princípio da confiança zero permite que as empresas isolem e segmentem quem tem acesso a quê. Não há mais espaços compartilhados, cada acesso deve ser validado antes de ser habilitado. As conexões são efêmeras: o usuário e o aplicativo se conectam apenas para uma comunicação específica e nada mais.

Deja una respuesta

Tu dirección de correo electrónico no será publicada.