Latência y Edge Computing: por que é importante?

Emilio Moreno    30 noviembre, 2021
Latencia y Edge

Por muitos anos, vivemos uma corrida para alcançar velocidades cada vez mais altas em nossas conexões. A partir desses modems que nos deram uma sinfonia de bips, cujo fim esperávamos ansiosamente para finalmente ver a velocidade com que nos conectamos, atingir velocidades maiores sempre foi o objetivo a alcançar.

A incorporação de novas tecnologias, como ADSL, fibra ótica, comunicações móveis 3G ou 4G, redes privadas MPLS, vem trazendo velocidades cada vez maiores. E, em muitos casos, a reivindicação comercial tem sido a promessa de mais kilobits, mais megabits em uma corrida técnica e comercial para que possamos consumir novos serviços. Por exemplo, o consumo de internet móvel não se tornou massivo até a chegada do 3G. O caso de vídeo HD ou UHD é impensável sem esses valores de largura de banda mais altos.

Mas a largura de banda não é o único parâmetro que importa quando se trata de consumir serviços digitais. E é aí que entra a latência.

Latência, o grande protagonista

A latência mede basicamente o tempo que passa na comunicação entre o cliente que inicia a comunicação e o tempo que leva para a resposta ser recebida. A ordem de magnitude em que nos movemos é de milissegundos.

A latência, embora não muito visível, sempre esteve lá e algumas de suas consequências às vezes são perceptíveis. Quando as comunicações transatlânticas eram conduzidas através de satélites em órbita geoestacionária, a mais de 35.000 km acima da superfície terrestre, o tempo gasto pelo sinal da estação terrestre ao satélite e descendo para outra estação terrestre acrescentou atrasos suficientes para complicar a transmissão. Interlocução entre as pessoas, com tempos mortos, colisões entre alto-falantes, etc. Aqui, a latência se move na ordem de centenas de milissegundos.

Outro exemplo ocorre em data centers ao replicar dados entre dois locais. Existem soluções de hardware que, para garantir que a cópia foi bem-sucedida, não confirmam as operações de gravação do disco até que o sistema remoto tenha confirmado a gravação equivalente no sistema secundário. Esta é a razão pela qual muitos provedores têm pelo menos dois Data Centers na mesma área metropolitana para oferecer soluções de replicação síncrona.

Ao contrário, existem muitas outras situações em que a latência não é relevante, pois os tempos de resposta das comunicações são muito menores que o tempo de processamento, ou seja, a capacidade de resposta de um ser humano. Por exemplo, uma boa parte da maioria dos aplicativos de consulta da web não são particularmente sensíveis à latência.

Nas comunicações móveis, a chegada do 5G significou uma mudança importante em relação às gerações anteriores. Embora essa tecnologia prometa crescimento de velocidade, ela colocou a latência no centro. Por um lado, alcançando valores muito mais baixos, e por outro, garantindo valores estáveis, com pouca variação e muito controlados. Mas isso não está acontecendo apenas nas comunicações móveis: as redes de fibra também permitem obter valores de latência mais baixos e estáveis.

E é a latência que realmente torna o Edge Computing valioso. Edge, em inglês, significa “edge” e de forma simplificada significa que estamos levando as capacidades de cálculo ao limite. No limite da rede.

Por que trazer essa capacidade de computação para o limite da rede? O principal benefício é melhorar a latência percebida pelo consumidor dessa capacidade. Se em vez das centenas ou milhares de quilômetros que o sinal teria que percorrer para chegar a um Data Center tradicional, ele só percorrer uma distância muito curta, de poucos quilômetros, a latência se reduz a valores de pouquíssimos milissegundos.

Mas vale realmente a pena o esforço de implantar vários nós para trazer a computação mais perto dos usuários finais? Para alguns casos de uso, certamente sim. E é aqui que começa uma das linhas de trabalho mais importantes: identificar os casos de uso que realmente precisam de um valor de latência muito baixo.

Nesse sentido, na Telefónica há algum tempo trabalhamos com nossos clientes e parceiros para identificar esses casos de uso que só poderiam acontecer em uma infraestrutura de Edge Computing. Muitos deles são frutos das mais avançadas linhas de pesquisa e ainda se encontram em um estado muito preliminar. Podemos citar alguns, como Realidade Aumentada, Indústria 4.0, Reconhecimento de Imagem em Tempo Real, Jogos, Gerenciamento de Drones, etc. Em posts futuros comentaremos algumas das experiências e pilotos em que a Telefónica está participando.

Por este motivo, as Redes de Nova Geração (5G e Fibra) combinadas com Edge Computing são a opção vencedora para desenvolver de forma otimizada soluções sensíveis à latência..

Deja una respuesta

Tu dirección de correo electrónico no será publicada.