Quando eu crescer, quero ser… um engenheiro

Elisa Rojas    13 julio, 2021
#MulheresHacker

“O que você quer ser quando crescer?», um clássico. A grande questão. Tão simples, mas tão complexo, e curiosamente tão perguntado quando somos pequenos… quando talvez devêssemos criá-lo diariamente (mas falaremos sobre isso outro dia). No meu caso, quando criança, era bem claro, eu queria ser «pintor, como Picasso». Embora seja verdade que, em geral, eu sempre tive curiosidade sobre qualquer assunto e gostei de contar o que aprendi aos meus pais e irmão. Até joguei para ser professor e inventarexercícios, diria que foi um dos meus jogos favoritos. Eu nunca dei a ela muito mais voltas e eu não fiz errado, no final eu era uma menina, o importante era jogar. 

Até que um dia meus pais compraram um computador. Isso me fascinou. Especialmente, fui cativado por um certo aplicativo que permitiu que você fizesse desenhos infinitos, colorindo com um simples «clique» e fazendo formas, e, claro, digitando e escrevendo letras infinitas em uma tela. E claro, vídeo games (jogando).

Continuei sem dar muitas voltas, até que chegou a hora de decidir o que estudar. Eu cumpriria minha ideia, de quando era criança, de ser pintor ou professor? Mesmo que eu não fosse totalmente claro sobre isso, eu pensei que estudar engenharia poderia ser divertido, especialmente se tivesse um computador relacionado. Na verdade, eu não sabia que tipo de trabalho eu teria a seguir (levantar a mão quem faria), mas eu fiz a minha aposta (Engenharia de Telecomunicações) e acho que acertei. Eu gostei de fazer a corrida, mas no final eu me perguntava se eu poderia ir mais longe, eu tinha dificuldade em pensar que a estrada tinha terminado lá. Passei por vários trabalhos… e foi aí que comecei a encaixar as peças e decidi, que o que eu realmente gostaria era de ser professor de engenharia (2 em 1). Embora o caminho para isso tenha sido especialmente difícil, decidi voltar para a universidade novamente, desta vez para buscar um doutorado. E foi o que fiz, mas não antes de viajar por muitos países para conferências e pesquisas, conhecer muitas pessoas, e continuar a aprender. Acertei! Anos depois, sou professora de engenharia na Universidade de Alcalá. Mas não, este não é o fim ainda, é apenas mais um estágio na minha jornada. E por enquanto, a engenharia encontrou um panorama motivador, cheio de jogos de lógica e desafios, de chorar alguns dias, mas de grandes sorrisos em outros. Mas acima de tudo eu descobri que a engenharia não são apenas computadores, chips e cabos…, é também criatividade e imaginação, é ser capaz de resolver problemas de qualquer tipo: tecnológico, econômico, social…, é continuar jogando! Tenho sorte de me sentir «pintora» mesmo que minhas ferramentas não sejam pincéis, e estou animada para ajudar, na extensão das minhas habilidades, a resolver os problemas e grandes desafios do futuro da sociedade. O único problema é que vou precisar de ajuda, você ousa?  

Deja una respuesta

Tu dirección de correo electrónico no será publicada.